Translate

Loading...

Siga o Leão...

quarta-feira, 24 de julho de 2013

O PREÇO DA DESCONCILIAÇÃO



Ontem, aconteceu mais uma reunião (des) conciliatória no TRT, em Belo Horizonte. Pelo visto, mais uma vez os procuradores jurídicos e a secretária de educação foram à capital fazer turismo, ou seja, para gastarem de forma irresponsável mais dinheiro público, aquele que eles dizem não ter o suficiente para reajustar nossos salários. E como nenhum deles tinha poder de decisão, não puderam fazer nada, mesmo depois de confirmarem que a planilha do sindicato estava correta, alegando que o Prefeito não quer correr nenhum risco reajustando os salários agora e depois, passar aperto, caso a receita do município caia.

O SINTRAMON, além de ter levado a nossa aceitação da proposta feita pelo Tribunal, compareceu devidamente acompanhado de assessoria econômica, demonstrando mais uma vez seriedade e compromisso com o serviço público, o que, infelizmente, não se pode dizer o mesmo sobre a postura da atual administração.

A desembargadora, na tentativa de agilizar o processo, já que a administração parece querer fazer todo o mundo de bobo, inclusive aqueles pau-mandados que lá estavam presentes, propôs que se dividisse o percentual inflacionário em até três prestações, mas como "os meninos de recado" só servem para dar recados, ficou marcada uma nova reunião para o dia 20 de agosto.

Desta vez, para que a Secretária de Educação, Helena, não passasse vergonha novamente, a procuradoria é quem clamou pelo retorno do horário normal das aulas, ao que a desembargadora replicou: Os professores é quem sabem, façam tal proposta a eles, mas voltar de mãos vazias ...?

Enquanto isso, a administração, na tentativa de nos vencer pelo cansaço, continua cortando o nosso ponto, o que dificultará ainda mais a reposição das aulas perdidas e/ou sairá mais caro para a administração. No dia 07 de agosto, quando voltarmos do recesso escolar, a operação tartaruga retornará; desta vez com maior adesão dos educadores e mais fortalecida pela indiferença e irresponsabilidade administrativa do Senhor Prefeito. 

Diante de tudo isso, continuam no ar algumas perguntas que não querem calar: O prefeito tem a real noção dos gastos financeiros, em excesso, com esta peleja? Quem dá as cartas e/ou as caras nesta administração? A administração está preparada para os desgastes causados por esta pendenga? E quanto aos "Meninos de recados", até quando vocês servirão de fantoches, caso vocês ainda não perderam a vergonha na cara? 







segunda-feira, 22 de julho de 2013

CRÔNICA PRETA E BRANCA

Já há um bom tempo que venho pensando em escrever uma crônica para os torcedores de um time qualquer. Não porque sejam mais importantes que eu  e nem porque o seu time seja melhor que o meu. Sim, pelo fato de os mesmos serem os mais apaixonados: Aquele tipo de amante que quanto mais apanha, mais ama, mais se apaixona; e quando surge uma esperança de ter uma  retribuição maior pela sua paixão, mais ama, mais se apaixona, mesmo que apanhe novamente ...

O mais interessante é falar do torcedor, porque mesmo que os dirigentes passem, os jogadores passem; o que fica é o torcedor. Ele defende as cores do seu time mesmo que, de repente, a sua camisa se torne cor de rosa... Ele defende as cores de sua bandeira, mesmo quando insistem em compará-la a um pano de chão. Quando falam mal de seu time, buscam no baú da memória as glórias de um time do passado, que nem mesmo ele pôde comemorá-las. Lembranças longínquas ...

Mas, o mais triste, por ser o mais real, pode ser  a comparação dos nossos times atuais Sim, porque o presente é o que vale. Aliás, acho bastante ridículas as estatísticas baseadas em retrospectivas centenárias ou que seja decenais, para justificar favoritismos ... Mais do que isso, o que vale é o confronto direto, apesar que sempre vai haver aquela desculpa de que fulano, beltrano e sicrano estavam machucados, impedidos pelo departamento médico de jogar, quando a culpa não cai nas costas da arbitragem, e por aí vai ...

E assim, vão surgindo as anedotas, aquelas piadinhas sem graça ( só quando atingem a mim e/ou ao meu time, é claro!). Nas redes sociais, então, o confronto é bastante direto. A torcida de um também é para que o time do outro perca, para que ele não se vanglorie daquela vitória e até mesmo para que o mesmo pare de contar com o ovo no fiofó da galinha ...

No meu convívio há, na sua maioria, bastante atleticanos. Pessoas batalhadoras, honestas, tudo gente boa e muito apaixonadas. No momento em que se aproxima a decisão final da Libertadores da América, resolvi dar-lhes uma "trégua". Um time que tem em seu escrete um Victor, Rever, Ronaldinho Gaúcho, Tardelli, Jô, Bernard, Luan e outros menos importantes, merece ser campeão das Américas pelo que tem desempenhado até agora, mesmo que e apesar de, tenham que iniciar um jogo perdendo de 2 X 0 ...

E como gosto bastante destes atleticanos - meus chegados - independente do resultado, imploro que não tenham um ataque cardíaco, pois, preciso de vocês, vivinhos, para que possamos continuar esta zoação, até mesmo porque já temos um clássico marcado para o próximo domingo.

E, desde já, já vou dizendo-lhes: Não sou nenhuma Maria, não, tá?

sexta-feira, 19 de julho de 2013

SINAL FECHADO



Desde o final do mês de fevereiro o SINTRAMON vem tentando negociar, junto à administração pública, um acordo coletivo de trabalho. Normalmente, o carro-chefe de uma negociação é a cláusula econômica, ou seja, a que trata de aumento e/ou reajuste salarial, no caso específico dos servidores, 10%.

A prefeitura vem se negando, não somente a atender tal  reivindicação, como também se nega a negociar, uma vez que não existe negociação, quando se propõe 0% de reajuste e de aumento salarial. Por isso, a partir do dia 24 de Abril foi deflagrada uma greve, sustentada apenas pelo magistério, e que foi transformada em operação tartaruga desde o dia 13 de maio até a presente data.

Em 07 de maio, na Superintendência Regional do Trabalho, em Belo Horizonte, a corregedoria, depois de ouvir as partes, sugeriu   que a prefeitura reajustasse nossos salários em 6,97% (inflação acumulada de março/12 a março/13 e que fosse reajustado o vale alimentação para R$ 228,00 para todos os servidores. Assim sendo, o Sindicato aceitou trazer tal proposta para a nossa assembléia e  a procuradoria da prefeitura, por um momento, teria aceitado trazer a citada proposta para análise. Só que enquanto marcavam uma nova data para se assentarem novamente, um dos procuradores da prefeitura resolveu ligar para a assessoria econômica do prefeito, ao que a mesma ordenou que não aceitassem nenhuma proposta que viesse de tal Tribunal, gerando um impasse.

Diante disso, o SINTRAMON ajuizou um Dissídio Coletivo no Tribunal Regional do Trabalho quando, em primeira reunião conciliatória, na segunda feira, dia 16, a administração, demonstrando, mais uma vez, uma conduta amadorística e irresponsável, em vez de enviar a equipe econômica para justificar o porquê de 0% de reajuste, manda procuradores jurídicos que, além de não apresentarem dados financeiros comprobatórios, como o fez o SINTRAMON, não tinham poder de decisão. Da mesma forma, também se fez presente a secretária de educação, preparada apenas para blindar o prefeito e os alunos, dizendo que o prefeito é um jovem idealista e cheio de vontade de trabalhar e que a greve teria sido precipitada, manifestando sua preocupação com o prejuízo da carga horária do aluno; atitudes severamente criticadas pela desembargadora, recomendando-lhe maior sensibilidade com a causa dos professores.

Novamente é sugerido à administração que se ofereça pelo menos o índice inflacionário e a desembargadora recomenda que, na  reunião, agendada para a próxima terça feira, esteja presente a equipe econômica ou alguém que possa, realmente, responder pela administração pública municipal.

O que se pode concluir de tudo isso é que ou o antigo ditado “em casa de ferreiro o espeto é de pau” continua vingando nesta cidade, administrada por um advogado,  ou então a administração atual, em detrimento do humano, tem se preocupado em caiar o sepulcro, uma vez que, até agora, já foram anunciados um investimento de 1,5 milhão de reais  na manutenção e conservação das escolas,   um empréstimo de 3 milhões de reais para asfaltamento, o pagamento de uma dívida de 11 milhões de reais, além de a administração estar disposta a gastar 100% a mais na reposição da carga horária, cortando nossos pontos.

A falta de diálogo, a intransigência e, conseqüentemente, a permissão da instauração de um dissídio coletivo,  são práticas de um governo ditador - sistema banido há muito tempo em nossa sociedade – o que trarão prejuízos políticos para o prefeito e um desastre imensurável a toda comunidade escolar, uma vez que a partir do mês de agosto o ano letivo começará a ser comprometido.

Uma coisa é certa: Se o prefeito está pensando em administrar esta cidade desprezando os servidores públicos, esquecendo-se de que são eles que fazem a máquina administrativa funcionar, engana-se, pois os da educação, verdadeiros formadores de opinião, estão conseguindo multiplicar, e bastante, o seu índice de rejeição, tornando-se mais fortalecidos na luta pelo respeito à sua dignidade.





terça-feira, 16 de julho de 2013

PARA NÃO DIZER QUE NÃO 
FALEI DAS FLORES (IV)





Ultimamente, venho lutando contra o costume de jogar pedras na atual administração, mas a cada dia que passa surgem fatos novos, novas escorregadelas, tornando-se difícil manter-me alheio a tais pérolas.

Definitivamente, a administração pública municipal, liderada por um advogado, está cheia de amadores. Amadores em todos os sentidos, inclusive, no sentido da paixão. Sendo assim, amam blindar o prefeito, amam defender o indefensável, amam passar vergonha, enfim; amam demonstrar que não sabem e nem entendem nada de nada.

Ontem, na reunião conciliatória no TRT em Belo Horizonte, sentimos mais uma vez - e a desembargadora, também - a ausência de procuradores jurídicos comissionados, da assessora da fazenda, ou seja, de alguém que realmente tivesse autonomia para representar a administração pública. Em vez disso, mandam funcionários de carreira, inclusive a nossa secretária de educação, que se preocupou em blindar o senhor prefeito e os alunos, sem nenhum preparo nem para isso e muito menos para explicar o inexplicável ...

O mais interessante é que desta vez, teve platéia. Sim. Uma platéia composta por professores e pais de alunos, que foram convidados pelo SINTRAMON ( é uma pena só poderem estar como  ouvintes ...).

Com relação às flores ... que flores se só depois que os diretores reclamaram tanto do sucateamento das escolas, estão aparecendo um milhão e meio de reais para investir no "material"; o que não terá nenhum valor sem o investimento no "humano" ... ????





quinta-feira, 11 de julho de 2013


TEÓFILO TORRES: O VELOCISTA






Desde o primeiro dia de governo do Téofilo Tôrres, o que mais se viu na mídia era o "choro" de que havia muitas dívidas a saldar e que o mesmo precisaria de um ano para colocar a casa em ordem. Tão logo iniciaram as negociações com o SINTRAMON, pediu a compreensão dos servidores ao oferecer-lhes  0% de reajuste salarial e até hoje alega não poder conceder nenhum reajuste por causa da Lei de Responsabilidade Fiscal, etc e tal. Mesmo assim, continua inchando a máquina administrativa e, se bestar muito, não demorará muito, para criar até cargos comissionados de assessores de diretoria de time de futebol, da agricultura e por que não, de assuntos marítimos; apenas com o objetivo de apadrinhar os cabos eleitorais. 

Não vou questionar aqui a competência de nenhum daqueles que tem sido contratados. Questiono se há extrema necessidade de tais contratações, uma vez que a única justificativa usada pelo prefeito para não conceder reajuste salarial é a bendita LRF. É sabido que as admissões e gratificações tem sido feitas à rodo pela atual administração. Em vez de criar receitas para melhorar a situação financeira da prefeitura, o prefeito tem aumentado cada vez mais as despesas. Acho até que se a gente soubesse que a administração estivesse admitindo mais médicos especialistas para cuidar melhor da saúde do povo, ninguém reclamaria, pois é um setor deficitário. 

A Câmara Municipal, que tem como principal função de fiscalizar os atos do executivo, é composta, em sua maioria, por um bando de "bananas", liderados por um lacaio do executivo, que se esqueceu que tem telhado de vidro. Portanto, o que o prefeito fizer está feito e assinam embaixo.

Por isso, senhor prefeito, é que boa parte dos servidores da educação municipal continuam no movimento paredista, aguardando o pronunciamento da justiça, já que a falta de diálogo, a intransigência e a falta de vontade política o impedem de negociar com os educadores.

Pois é, senhor prefeito... o senhor já correu dos professores, já correu dos pais dos alunos ... Da justiça não terá como correr...




segunda-feira, 8 de julho de 2013

TUDO COMO ANTES...

Já há um bom tempo que venho ouvindo um ou outro me questionando sobre os rumos da negociação com o Prefeito e sobre as consequência da operação tartaruga, que já vem se arrastando desde o dia 13 de Maio, uma vez que não tenho postado mais nada aqui ... É que não há novidade alguma, mesmo: A indiferença da administração continua a mesma, a acomodação dos pais, também ... e nós, educadores, vamos somando a cada dia um déficit de 40% da carga horária e vendo serem subtraídos a mesma proporção em nossos salários ao fim do mês. 

Até o próximo dia 19, quando entraremos em recesso escolar por 15 dias, os alunos já terão perdido em torno de 28 dias letivos, o que começará colocar em risco o ano letivo. Enquanto isso, a administração vai fazendo um pé de meia, pensando na possibilidade de contratar professores para nos substituírem, em vez de "RESOLVER" tal pendenga.

Desta forma, vai adiando a audiência pública sobre os investimentos na educação, o que poderia comprovar ou não, que a verba do FUNDEB é insuficiente, numa demonstração clara de incompetência administrativa, falta de transparência e de vontade política e a despreocupação com a possível queda da qualidade de ensino, provocada pelo movimento paredista.

O adiantamento da metade do 13º dos professores - que deveria ser feito junto com o pagamento das férias, em janeiro - é mostrado por alguns da mídia como se fosse "bondade" do prefeito e por outros, até "burrice". Eu até diria que a atitude do prefeito é bastante "louvável", uma vez que já corre na justiça a possível instalação de um dissídio. Para que arranjar mais um processo para responder? Agora, com certeza, se ele já tivesse usado este dinheiro para reajustar os nossos salários, teria tido menos desgaste político com os servidores, principalmente, com os da educação, uma vez que sem os cortes nos salários, boa parte deles não precisariam requisitar tal adiantamento ... Mais diálogo e canja de galinha não faz mal para ninguém ... no quartel do Abrantes.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

O EFEITO CASCATA DOS MANIFESTOS

O EFEITO CASCATA DOS MANIFESTOS

O Brasil, país do samba e do futebol, sempre cultivou o senso comum de que esses dois ópios do povo alienam a população dos problemas sociais. Mas, atualmente, ironicamente, é a preparação do país para receber a Copa do Mundo que acaba mobilizando brasileiros. A população, levantando a bandeira sem cor partidária,  pede o fim da corrupção e do desperdício do dinheiro público, lamentavelmente tão comum em nosso país.

Somente agora, o povo está sentindo que a preparação das cidades para a Copa do Mundo passou a ter prioridade sobre outras necessidades da população. Os financiamentos foram direcionados para obras do futebol, em detrimento da saúde, da educação e da segurança, principalmente.

Em muitas cidades, a situação das escolas é deplorável, sem condições mínimas para que ali se processe um aprendizado adequado.  Os professores da rede pública, por sua vez, são muito mal remunerados. A desmotivação desses profissionais repercute no desempenho de suas funções e o resultado dessa falta de prioridades para o setor é o Brasil figurar em penúltimo lugar, no índice de qualidade da educação, num ranking de 39 países, segundo a empresa Pearson. Pior: um a cada quatro alunos que inicia o ensino fundamental  abandona a escola antes de completar a última série, segundo Relatório de Desenvolvimento 2012 do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNDU).

Na área da saúde a situação é grave e preocupante. São comuns os casos de doentes que recorrem aos hospitais públicos  e tem seus problemas agravados pela falta de profissionais e até medicamentos para os primeiros socorros. A todo o momento, os telejornais registram mortes de pacientes em longas filas de hospitais... Quem  responde por essa irresponsabilidade criminosa?

A última desta tríade, a segurança, é outra questão bastante preocupante. O desemprego, o culto à vida fácil, a falta de perspectivas futuras, aliadas ao modelo de um estado corrupto e à impunidade generalizada nos tornam reféns da imoralidade institucionalizada.

É nesse contexto que o Brasil se prepara para 2014. Há quem acredita que a Copa resolva todos os nossos problemas, mas  há um grande risco de que esse megaevento aprofunde os que já temos.

Há uma pergunta que não quer calar: Por que estamos organizando a mais cara das últimas Copas? A Copa no Brasil já está custando mais de R$ 30 bilhões de reais, três vezes o aplicado na Alemanha, em 2006, e no Japão, em 2002. E o que dizer da África do Sul, que gastou quatro vezes menos do que o Brasil, R$ 7,1 bilhões, deixando aquele país endividado após a copa.? Além disso, os gastos de todas as cidades sedes foram além do previsto na reforma ou construção dos seus estádios. É sabido que, em Brasília, o Tribunal de Contas do Distrito Federal identificou o pagamento de serviços em dobro e até de serviços não realizados. Com um orçamento inicial de R$ 650 milhões, o estádio Mané Garrincha, um ELEFANTE BRANCO, consumiu R$ 1,2 bilhão, praticamente o dobro do previsto inicialmente: uma vergonha para o governo e ótimos motivos para a população protestar.

Tudo isso nos deixa indignados e contribui para que aumentem as manifestações populares, a fim de inverter a lógica desse sistema que privilegia o capital em detrimento do social.  Estes e outros setores essenciais à sobrevida do cidadão estão falidos e precisa de uma reação  rápida e enérgica do governo.

Enquanto isso, a FIFA anuncia que terá um lucro de R$ 4 bilhões com a Copa no Brasil, livre de impostos. A presidenta Dilma Rousseff repete o ex-presidente Lula, afirmando que realizaremos "a melhor Copa de todos os tempos". Para quem, presidenta? Eles se esquecem que o povo não precisa só de circo, o povo necessita, sobretudo, de pão também. Até aqui, só a FIFA está ganhando pão e é por isso, também, que a população vai às ruas para protestar, com razão.

Finalmente, toda esta insatisfação acabou por respingar  nas outras esferas do poder, despertando a população de um modo geral  para os problemas “domésticos”. Monlevade, não poderia ficar fora desta, uma vez que a administração atual, eleita, sobretudo, sob a promessa de atração de recursos estaduais, balizados na influência de Mauri Torres e CIA. LTDA., até o presente momento, não tem agradado à comunidade de um modo geral. A Câmara Municipal, por sua vez, 80% conivente com os desmandos desse (des)governo municipal, já recebeu o título de "pior câmara de todos os tempos", em apenas 6 meses de atuação.

Desta forma, vários movimentos sociais emergem de suas bases bradando por transparência, moralidade e ética na política, seguindo os mesmos passos daquele “gigante que acordou”. Ao que tudo indica, o estopim  já se acendeu ... pena que os poderosos de plantão ainda não desconfiaram disso; por isso continuam inertes, indiferentes à fumaça, esquecendo-se daquele velho ditado: Onde há fumaça, há fogo ...