Translate

Loading...

Siga o Leão...

sábado, 29 de outubro de 2011

... E ESTOUROU!


Aquilo que prenunciaram ser uma marolinha, transformou-se em uma grande onda, que não se sabe ao certo se ainda se tornará um tsuname. O certo é que pegou muita gente confiante ou cega, desprevenida.

Agora, é apertar os cintos para não ter que remediar o irremediável. A crise européia respingará até que ponto na economia nacional? A Mittal já tratou de paralisar o seu plano de duplicação, o que provocará muitas demissões afetando vertiginosamente a nossa economia...

É esperar prá ver...  

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

PRÁ NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DAS FLORES (III)


Infelizmente não dá prá ficar calado, diante de mais um calote da prefeitura no Hospital Margarida. É sabido que foi celebrado um convênio entre as partes para a unificação do atendimento visando, principalmente, a qualidade do atendimento, o que posso atestar, já que por duas vezes necessitei de tal serviço e fui muito bem atendido.

Agora, por questões que até hoje ninguém consegue justificar, o prefeito, não cumpre com o combinado e ainda declara que a administração municipal não tem a obrigação do repasse da verba e que convênio não é contrato, podendo ser cancelado a qualquer hora e por quaisquer uma das partes ...

No mínimo, o que se pode dizer deste "calote declarado" é que isto não passa de mais uma molecagem da parte do executivo ou será que, até hoje, ele não sabe que a saúde do povo tem que ser a maior prioridade em qualquer administração pública? 

Saiba, senhor prefeito, que convênio, contrato ou acordo, como queira denominar vossa excelência, é um documento escrito e assinado por "homens de bem". Embora uma palavra valha mais que um nome no papel, em determinadas circunstâncias; em se tratando de uma pessoa pública que ocupa uma alta posição politico-social no município, espera-se pelo menos a honradez em alegar dificuldades financeiras do município e disposição para buscar outras alternativas, evitando-se um "apagão" no setor de saúde pública.

E as flores? Ainda estamos na primavera, onde ainda tudo é lindo ... Mas, quando chegar o outono ...





segunda-feira, 24 de outubro de 2011

ESTÓRIA PARA BOI DORMIR (II)



Naquele mesmo reino, onde havia um príncipe que não sabia quanto tinha para tratar de uma quantidade de filhos que o mesmo continua desconhecendo, vira e mexe ele, quando o bicho pega, manda contratar conselheiros de outro reino vizinho.

Atualmente, como precisava de mais servos, resolveu realizar um teste por escrito; é que o chamado concurso público ainda não chegou naquele reino. Sendo assim, contratou uma turma de especialista em bolar algumas respostas maldosas, pois as perguntas ele já sabia de cor.

O príncipe, então, determinou que fossem feitas  perguntas sobre fatos e obras importantes de seu reinado; assim, além de fazer uma bela propaganda dos seus feitos, somente passariam naquelas provas as pessoas que conhecessem as suas façanhas.

Os candidatos, quando depararam com aquelas perguntinhas sacanas, ficaram indignados, até mesmo por que boa parte daquelas coisas que estavam na prova não havia sido divulgado nem pelo folhetim real semanal, além de alguns candidatos serem de outro reino ... Não daquele de onde vieram os conselheiros acima citados, pois eles são cargos de confiança.

No dia seguinte a coisa esquentou. Os Jornais, as rádios, os blogs e outros tipos de  informativos que não são “reais”, xingou até a quinta geração do príncipe.

Depois de tudo isso, os candidatos entraram com recurso e aguardam o pronunciamento real. O Príncipe? Bem, o príncipe tem coisas muito mais importantes a fazer, como por exemplo ...
Tá legal, majestade, pode continuar assentada no trono. Mas, por favor, depois limpe tudo direintinho, tá?




quinta-feira, 20 de outubro de 2011

BATENDO EM CACHORRO MORTO




Desde quando entrei nesta de "blogueiro" me pautei naqueles princípios de não fazer de um blog uma válvula de escape ou até mesmo um instrumento de desabafo, como se os possíveis leitores fossem pinicos para despejo de todas os nossos dejetos palavrísticos (como dizia Odorico Paraguaçu!) mas, como Voltaire diz:"Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las.", acredito que sou livre para dizer que, embora o mundo inteiro pergunte prá que?, vou continuar batendo em cachorro morto...

Ao retornarmos da paralisação dos professores municipais, ficou combinado que seria feito um novo calendário escolar, discriminando os dias a serem repostos, em comum acordo com a direção das escolas. Sabe-se que o calendário foi "encaminhado" às escolas e ..."cumpra-se!". A direção, por sua vez, apenas o repassou para nós, professores.

Agora, "ditaram" que no dia 22/10,sábado, não haverá aulas por causa do ENEM e que esse dia deverá ser pago dia 15/11: feriado nacional.

Então, vai aí um lembrete à Secretaria Municipal de Educação: De acordo, também,com a lei 920/89, quando também é da "vontade" do patrão que trabalhemos em feriado nacional, a nossa remuneração deverá ser de 100%. Com certeza, a Enscon deverá, também pagar 100% de hora-extra aos motoristas do transporte escolar ...  

Tudo continua como antes. Também aqui na terra do Abrantes...

O SINTRAMON já foi acionado.





terça-feira, 18 de outubro de 2011

É ...BOMBA!


Tem muita gente cega ... Ou que não quer ver ... Preparem-se para uma "Bomba!" ... Quando você menos esperar ...

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

TRAJETÓRIA DE UM GRANDE EMPREENDEDOR


Monlevade, perde um dos mais importantes construtores de seu progresso: Ulete Motta. Em vida, ele nos ensinou a arte da humildade e foi, com certeza, um grande batalhador, deixando-nos muitas lições de vida.
Em 2010, A revista "A Chance" trouxe em sua 2ª edição, sua mini-biografia, a qual repasso a você, leitor. Vale a pena conferir:












Ulete Motta nasceu no dia 08 de setembro de 1918 em Santa Rita, município de São Domingos do Prata.Lá viveu até os dois anos de idade.Sua primeira memória de infância é aos três anos e meio de idade quando nasceu uma de suas irmãs em Pantaleão. Depois disso, moraram em Vargem Linda e em São Domingos do Prata. Aos seis anos já brincava de “vendeiro” e lembra de uma frase de sua mãe nada incentivadora.Ela dizia: “Quem nasceu pra tatu tem que viver cavando”.Referindo-se ao fato de quem nasceu pobre e na roça deveria viver assim.

Em 1926, aos oito anos de idade,vendia biscoitos para as vizinhas no povoado de Santa Isabel, perto da BR 262, para ajudar a família. Em1928, volta para Santa Rita onde começa os estudos: 1º, 2º e 3ºano.  Alguns anos depois foi morar no Prata e lá concluiu o 4 º ano. Trabalhava na roça pela manhã e tinha que andar 6 km até chegar à escola. Mesmo com toda dificuldade, terminou os estudos com 14 anos, sendo uns dos melhores da turma. Já que tinha inclinação para o comércio, não queria trabalhar na roça. Foi para a “Fazenda do Paiva” trabalhar como feitor. Tomava conta de uma turma de 20 pessoas, entre mulheres e crianças, que trabalhavam na capina. Quando alguém se atrasava, ajudava com a enxada. Também lá começou a estudar música e se tornou um talentoso tocador de trombone. Permaneceu nesta fazenda por oito anos. Em maio de 1941, começou a trabalhar em uma venda em Vargem Linda. Ganhava menos que na fazenda, mas fazendo o que gostava.

 Em dezembro de 1941, foi chamado para o ofício em uma mineradora, mas não chegou a começar, pois recebeu um convite para trabalhar em um armazém na roça. Manifestando seu tino comercial, fez uma proposta ao patrão de abrir um armazém em sociedade na cidade.

Em 1943, comprou a parte do sócio e teve seu 1º estabelecimento comercial.
Em setembro de 1943, casou-se com Dona Solita (1923-2000), sua companheira por 57 anos. Em 1944, veio a João Monlevade a passeio com sua esposa. Como já era músico experiente, foi convidado pelo maestro da cidade para tocar na banda. Este lhe prometera emprego caso viesse. Já estava com exame médico  marcado na Companhia Belgo Mineira quando recebeu a notícia que sua esposa passara mal e quase abortara seu primeiro filho. Voltou às pressas para Vargem Linda, mas no dia seguinte regressou à Belgo. Felizmente, como ele mesmo diz, não conseguiu passar no exame porque estava com pressão alta.

Neste meio tempo, já havia vendido seu armazém na Vargem. Tentou emprego em vários lugares, mas não conseguia por causa da pressão alta. Conseguiu então um trabalho na venda de um espanhol em Barão de Cocais. Sua esposa e filha ficaram em Vargem Linda. Começou com salário mínimo e depois de 15 dias foi transferido para um armazém na roça em Rio Piracicaba. Andou sete léguas a pé para buscar a esposa em casa. Era funcionário dedicado, melhorou as condições da fazenda, mandou consertar moinhos estragados, capinou em volta. Era querido pelo proprietário e lá ficou por três anos. Mudou-se para Caxambu para ser gerente de outro armazém do Espanhol. Fazia de tudo: administrava, fazia a escrita, vendia, mantinha o estabelecimento limpo e organizado. Ao todo, foram 12 anos trabalhando para o estrangeiro. Com dificuldade e muito trabalho, conseguiu comprar uma casinha em Caxambu. Nela, fez  algumas reformas. Depois de três anos, vendeu e foi com a família, agora com oito filhos, para João Monlevade. Com o dinheiro da casa e do acerto com o antigo patrão, entrou como sócio  do armazém Cota Melo e Cia Ltda, com mais dois companheiros. Em 1º de janeiro de 1961, foi feito o primeiro balanço do estabelecimento que vendia toucinho, fumo, cereal. Com sua entrada na sociedade, foram
introduzindo  produtos de materiais de construção como: material elétrico, cimento e telha. Com cinco anos de trabalho, um dos sócios vendeu sua parte aos outros dois, e com mais nove anos comprou o restante da loja tornando- se o único proprietário. A partir dessa data, o armazém mudou de nome e passou a se chamar ULETE
MOTA e CIA LTDA.

Hoje, em 2010, aos 91 anos, goza de saúde e lucidez admirável. Todos os dias, caminha e faz questão de estar presente em sua loja, conversando com os clientes amigos e prestando atenção em tudo que acontece. Os filhos administram a empresa e ele aguarda ansioso pelo ano de 2011, quando o depósito Ulete Mota completará 50 anos de
atividade.

sábado, 15 de outubro de 2011

dDIA DE LUTO PELA LUTA


Eu sou um intelectual que não tem medo de ser amoroso... Eu amo as pessoas, amo o mundo e amo o que eu faço. Sou Educador...
Porque sou um EDUCADOR é que eu LUTO para que a justiça social se implante antes da caridade. 

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

CRIANÇAS




Jesus e seus apóstolos acabavam de voltar duma longa viagem. No caminho, os apóstolos tinham discutido entre si. Por isso, Jesus perguntou-lhes: ‘Sobre que estavam discutindo no caminho?’ Na realidade, Jesus sabia do que falaram. Mas, fez a pergunta para ver o que os apóstolos iam dizer.

Os apóstolos não responderam, porque tinham discutido, na estrada, quem era o maior deles. Alguns apóstolos queriam ser mais importantes do que os outros. Como lhes disse Jesus que não é direito querer ser o maior?

Ele chamou o menininho e o pôs diante deles. Daí, disse aos seus discípulos: ‘Quero que saibam que, a menos que mudem e fiquem como criancinhas, não vão entrar no reino de Deus. O maior no reino é aquele que se tornar como esta criança. Sabe por que Jesus disse isso?

Bem, as criancinhas não se preocupam em ser maiores ou mais importantes do que os outros. Por isso, os apóstolos deviam aprender a ser como crianças e a não brigar sobre ser grandes ou importantes.

Jesus mostrou também em outras ocasiões quanto ele gostava de criancinhas. Alguns meses mais tarde, umas pessoas trouxeram seus filhos para ver Jesus. Os apóstolos quiseram afastá-los. Mas Jesus disse-lhes: "Deixem vir a mim as crianças e não as impeçam, porque o reino de Deus pertence a pessoas assim". Daí, Jesus abraçou as crianças e as abençoou. Não é bom saber que Jesus ama as criancinhas?

terça-feira, 11 de outubro de 2011

PURA ENGANAÇÃO



Hoje, vou me colocar, mais do que nunca, no lugar daqueles profissionais competentes que, por muito tempo servem à prefeitura com contrato por tempo determinado, que por incompetência do poder público na organização até de um concurso público, correm o risco de perderem o emprego por não terem sido aprovados no citado concurso.

Este concurso, no mínimo, deveria ser anulado pelo Ministério Público, principalmente pela utilização de um processo seletivo para fazer marketing político, bem como por incompetência pedagógica da empresa que o executou, em conluio com a, ou omissão da Secretaria Municipal de Educação, por permitir que se coloquem questões de “Conhecimento Local” que não comprovam a competência daquele concursado para o exercício de sua função.

Imagine a sua competência profissional e daqueles que nem aqui residem ser avaliada por questões como: Quem é o atual diretor do DAE? Qual é o nome do estacionamento do Hospital Margarida? Quantos moto-taxistas existem em Monlevade? O que significa o projeto “Monlevade às Claras”? Em que mês se realiza a festa dos vinhos e queijos em João Monlevade?

E pensar que teremos que agüentar por mais um ano ainda esta aberração de administração pública ... O único consolo é que maior parte da população de Monlevade estará aprovada no concurso de Cidadania, com apenas uma pergunta: QUEM É O PIOR PREFEITO QUE A NOSSA CIDADE JÁ ELEGEU? A confirmação de sua resposta estará nas urnas da próxima eleição.


segunda-feira, 10 de outubro de 2011

BRINQUEDO PERIGOSO
Quando eu era criança, lá na beira do rio, vivia a procurar no meio dos dejetos que a Belgo-Mineira despejava às margens do Rio Piracicaba, rolimãs para fazer carrinho e patinete. E com que competência fazia tais brinquedos! Não como o acima, pois é industrializados e, hoje em dia, até o motorizado já existe.

Eu e a molecada da rua subíamos as escadarias da matriz São José, cada um com o seu possante e, no passeio, descíamos em direção à ponte de madeira que dava acesso à rua Beira Rio.

Toda essa aventura gostosa não deixava de ser  perigosa, principalmente, se invadíssemos a pista ou se um carro resolvesse nos atropelar no passeio.

Entretanto, o que vejo hoje, é um absurdo: Adolescentes descendo a rua Vitória em carrinhos de rolimã, na pista, dividindo o mesmo espaço com carros e ninguém faz nada. Onde estão os pais destes adolescentes?

Sábado, à noite, preocupado com a segurança deles, resolvi ligar para Polícia Militar. Um sargento me atendeu com atenção, dizendo-me, antes que eu terminasse de falar, que já sabia e que uma viatura já estaria indo até o local, e que se eu quisesse chegar até à esquina, eu os veria fazer a abordagem. Não fui. Fiquei na varanda de minha casa apenas assistindo os futuros kartistas. Eles desceram a rua mais uma, duas vezes e depois foram embora para as suas casas sãos e salvos. A viatura da polícia apareceu 20 minutos depois. Agora, vamos esperar o que vai acontecer da próxima vez.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

EM FAVOR DA VIDA

Como se não bastasse movimento pela descriminalização e legalização da Maconha, agora está começando  a se desenhar algo parecido com relação ao aborto.

Encontrei, um pouco tarde, no site Mãos da Periferia, um convite à blogagem coletiva em favor do Aborto. Digo tarde, porque teria feito uma postagem contra. Naquele site já prenunciava este argumento:Ninguém é a favor do aborto e contra a vida. Nós somos a favor das mulheres decidirem sobre seus corpos e a favor de que milhares de mortes de mulheres sejam evitadas. Ser contra o aborto é decidir por você. Ser contra a legalização do aborto é decidir por todas. Ser contra o aborto é não achar certo fazer um aborto. Ser contra a legalização do aborto é ser a favor da morte de milhares de mulheres.

Poderia haver um argumento mais forte que a lei de Deus? O “Não Matarás” do mandamento da lei inclui também um ser humano mesmo que ainda não tenha vindo “à luz”. Portanto, ser contra a legalização é ser sim, a favor da vida de milhares de pequeninos seres humanos que “não pediram para serem feitos” e que por isso tem o direito de virem ao mundo, serem felizes e verdadeiramente amados, mesmo que sejam por uma família adotiva. Ser favorável ao aborto é, sim, decidir pelo outro.

Agora, contra a morte de milhares de mulheres, há duas receitas: Uma é não “fornicar”.  Outra, se a “carne é fraca”, fortaleça o espírito para, pelo menos, se prevenir.

sábado, 1 de outubro de 2011

DIA DO PREFEITO


Hoje é o dia do Prefeito. Eu queria tanto felicitá-lo pelo seu dia, mas resolvi felicitar o “povo que merece o governo que tem”:

Parabéns pelo Prefeito que você elegeu, porque ...

Você confiou na juventude dele. Ele juntou  a meninada para ajudá-lo a governar, mas preferiu governar sozinho, a errar sozinho..

Você achava que tendo um  prefeito advogado, portanto conhecedor das leis, teria uma administração LEGAL, mas o que esperar de um prefeito que, até hoje, tem um processo em trâmite no supremo por não cumprir as leis eleitorais ...

Você, sabendo que  água não cai do céu, de graça, deu forças para que ele desviasse 1 milhão e meio da Cota de Salário da Educação para a PRANDINET, em detrimento do salário do professor, que não pega e permitiu que ele pegasse 700 mil no DAE para a estação de tratamento de esgoto e depois aceitou passivamente o aumento da tarifa de água...

Você pensou que pelo fato de o prefeito ter sido assessor jurídico do SINTRAMON, o salário do servidor público municipal aumentaria mais que a sua conta de água, transporte coletivo, IPTU, ...

Você acreditou naquele plano de governo tão maravilhoso quanto sonhador, esquecendo-se que papel aceita tudo ...

Parabéns àqueles que estão batendo palmas pata o asfaltamento indiscriminado de ruas, principalmente as do Bairro de Lourdes, onde a rede de água potável, até hoje, é de ferro.

Parabéns àqueles cidadãos ilustres que, mesmos cientes de estarem sendo usados, aproveitam desta “fraqueza democrática” do prefeito para direcionar políticas de real interesse do monlevadense.

Finalmente, parabéns a vocês, petistas, que confiaram no sucesso da coligação e, mesmo tendo consciência da enrascada em que se meteram, continuam aliados a ele, tentando limpar os respingos causados por um administrador nepotista, intransigente, imaturo, incompetente, prepotente ...
DIA DO PREFEITO


Hoje é o dia do Prefeito. Eu queria tanto felicitá-lo pelo seu dia, mas resolvi felicitar o “povo que merece o governo que tem”:

Parabéns pelo Prefeito que você elegeu, porque ...

Você confiou na juventude dele. Ele juntou  a meninada para ajudá-lo a governar, mas preferiu governar sozinho, a errar sozinho..

Você achava que tendo um  prefeito advogado, portanto conhecedor das leis, teria uma administração LEGAL, mas o que esperar de um prefeito que, até hoje, tem um processo em trâmite no supremo por não cumprir as leis eleitorais ...

Você, sabendo que  água não cai do céu, de graça, deu forças para que ele desviasse 1 milhão e meio da Cota de Salário da Educação para a PRANDINET, em detrimento do salário do professor, que não pega e permitiu que ele pegasse 700 mil no DAE para a estação de tratamento de esgoto e depois aceitou passivamente o aumento da tarifa de água...

Você pensou que pelo fato de o prefeito ter sido assessor jurídico do SINTRAMON, o salário do servidor público municipal aumentaria mais que a sua conta de água, transporte coletivo, IPTU, ...

Você acreditou naquele plano de governo tão maravilhoso quanto sonhador, esquecendo-se que papel aceita tudo ...

Parabéns àqueles que estão batendo palmas pata o asfaltamento indiscriminado de ruas, principalmente as do Bairro de Lourdes, onde a rede de água potável, até hoje, é de ferro.

Parabéns àqueles cidadãos ilustres que, mesmos cientes de estarem sendo usados, aproveitam desta “fraqueza democrática” do prefeito para direcionar políticas de real interesse do monlevadense.

Finalmente, parabéns a vocês, petistas, que confiaram no sucesso da coligação e, mesmo tendo consciência da enrascada em que se meteram, continuam aliados a ele, tentando limpar os respingos causados por um administrador nepotista, intransigente, imaturo, incompetente, prepotente ...